Aulas de capoeira para crianças com autismo

Tiago Toledo, Professor de educação física, trabalha com crianças com Transtorno do Espectro Autista desde 2005 e explica os benefícios das aulas de capoeira, referindo que estas das aulas vão além da redução das estereotipias. A prática trabalha muito a independência da criança, por meio de movimentos desafiadores, golpes, esquivas e interação com os colegas, fortalecendo também a autoestima. Um dos grandes destaques a favor da capoeira é a exploração do ritmo, por conta do uso de instrumentos musicais – já que a sensibilidade auditiva é uma forte característica na grande maioria das crianças com TEA. O berimbau, o atabaque e o pandeiro utilizados de maneira lúdica e prazerosa ajudam bastante no processo de adaptação, sem contar que os alunos também aprendem a manusear e tocar os instrumentos. Essa musicalidade, além de desenvolver a coordenação motora através dos instrumentos, ainda auxilia no desenvolvimento da própria comunicação, já que também fazem parte das aulas de capoeira as cantigas. Com elas, as crianças são estimuladas a cantar e a falar, o que ajuda a quebrar de forma gradual as barreiras de comunicação frequentes em crianças autistas. A partir de três anos de idade a criança com TEA já pode começar a praticar a capoeira. Não existe restrição quanto ao grau de autismo, desde o nível mais leve ao mais severo, não importa!

 

Partilhar

Últimos Artigos
Aceitação
O professor inclusivo
Deficiência Intelectual e transição pós-escolar